Jun 052006
 
Suzane

Ela é jovem, rica, loira e bonita. Como nem tudo são flores, também é uma assassina perversa, fria, calculista e sanguinária. Estava acompanhando um pedaço da cobertura que a Bandeirantes faz do julgamento de Suzane Von Richthofen, a moça que matou os pais e teve a cara-de-pau de dizer “não fui eu, foram os Cravinhos” (há uma comunidade no orkut com este nome, aliás). A tese da defesa, pelo que explicou o advogado, é algo [...Continua...]

May 232006
 

Zapeando os canais da TV, esbarro no Eurochannel, que traz dois filmes a serem vistos: Meia-noite, passa La Commare Secca, primeiro longa-metragem de Bernardo Bertolucci. Não está entre meus cineastas favoritos, longe disso, mas o segundo filme dele, Antes da Revolução, é uma obra-prima. Quatro da matina, é a vez de A Moça com a Valise, de Valerio Zurlini. Jamais assisti a nada de Zurlini (por absoluta falta de oportunidade, não se exibem filmes do [...Continua...]

May 222006
 

Andei afastado da televisão nos últimos meses, o que me fez perder, dia 19, Salve Quem Puder (A Vida), de Jean-Luc Godard, na TV5 – bom, estou baixando, e o filme deve reprisar, foi a primeira exibição. Mas, checando o site da TV5 depois de muito tempo, quantas belas surpresas! Começamos na quarta-feira, dia 23, em dois horários: 4h35 e 14h20, com a exibição de L’Inde Fantome, de Louis Malle. Depois, quinta-feira dia 24, às [...Continua...]

Apr 022006
 

Alguém se lembra de ter visto O Império das Formigas Gigantes? Costumava passar no SBT. Filminho vagabundo, de 1977, dirigido por um certo Bert I. Gordon, com a mega-bagaceira Joan Collins no elenco. Melhor de tudo é que se baseia em H.G. Wells. A sinopse: “Mulher ambiciosa deseja construir um condomínio em área pantanosa. Durante os trabalhos de preparação do terreno, uma máquina rompe uma lata que continha material radioativo. As formigas são contaminadas e [...Continua...]

Jan 312006
 

VIRAM??? VIRAM??? VIRAM??? Se não, vejam!!!! Vou escrever para a Contracampo. Ainda não sei que recorte dar, até porque não sei se algum recorte é realmente possível. Mas é curioso que, ao falar da transformação de Bob Dylan, da música folk para o rock an roll (Like a Rolling Stone) – classificação bem primária, aliás, mas necessária por falta de termos melhores -, Scorsese de certa forma remete ao que ele mesmo vem fazendo com [...Continua...]