Sep 122006
 

Como o Festival do Rio começa nesta quinta-feira (as cabines, no caso), e possivelmente não terei mais tempo de ver nada do circuito – tentarei A Dama na Água amanhã -, coloco já os filmes que vi até agora durante o mês: 1. Oh, Estações! Oh, Castelos!, 1957, de Agnès Varda 2. A Ópera-Mouffe, 1958, de Agnès Varda 3. Do Lado da Riviera, 1958, de Agnès Varda 4. Tio Yanco, 1967, de Agnès Varda 5. [...Continua...]

Sep 102006
 

Domingo, a partir de 16h30 no Odeon, o programa triplo imperdível da mostra Agnès Varda: – O Universo de Jacques Demy (16h30) – As Garotas Românticas Fizeram 25 Anos (18h10) – Jacquot de Nantes (19h40) Bom, faltando apenas Jacquot de Nantes para ver, e tendo assistido a quase todas as sessões da retrospectiva, continuo afirmando: Trouxeram o cônjuge errado. Nada contra Varda, ela fez ótimos filmes, embora nenhum seja obra-prima. E vários são bem fracos. [...Continua...]

Sep 012006
 

Restrospectiva completa, inédita no Brasil, da cineasta francesa Agnès Varda, de 1 a 10 de setembro, no Odeon. Ingressos a R$ 10. A mostra Agnès Varda reúne 18 longas-metragens e 15 curtas da diretora, conhecida como voz feminina da Nouvelle Vague e grande nome do documentário mundial. Nascida na Bélgica, mas radicada na França desde a adolescência, Agnès Varda, hoje com 78 anos, começou a carreira como fotógrafa e estreou no cinema em 1955 com [...Continua...]

Jun 082006
 
A Mais Bela Canção de Amor

A única pessoa deste mundo que ama mais Jacques Demy do que eu é Agnès Varda. Vejam só: Eduardo Valente vai me trazer, da França, por 10 euros cada, DVDs duplos de Les Parapluies de Cherbourg e de Les Demoiselles de Rochefort. Minha Copa do Mundo está seriamente ameaçada. A tendência é que eu veja e reveja os filmes incessantemente. Qualquer outro DVD estará proibido aqui em casa nas próximas semanas, por respeito a Demy. [...Continua...]

Apr 112006
 

Sempre achei, embora não pudesse provar, que as maiores influências de Jacques Demy (além dos musicais americanos, claro) eram Max Ophüls e Robert Bresson. Pensamento estranho que me deixava desconfortável às vezes, já que Bresson e Ophüls aparentemente não possuem nenhum ponto de contato. Mas observado os filmes de Demy, é bastante clara a presença de ambos: Ophüls em praticamente todos, de Lola a Trois Places pour le 26; Bresson sobretudo concentrado em A Baía [...Continua...]

Apr 102006
 

A sessão dupla Jacques Demy de hoje na Maison de France começa às 18h. É o seguinte: 18h – O Universo de Jacques Demy. 20h – Pele de Asno. Trilhões de desculpas pelo erro anterior. Guiei-me pelo site do Cinemaison que, na época, não estava atualizado. (quem precisa dar um tiro na cabeça agora sou eu, não é verdade?) Related Images: