Sep 242007
 

O Festival começou péssimo neste domingo, já que resolvi ver Elvis Pelvis. Deveria respeitar mais minha política de não assistir a filmes com títulos ruins, já que se não acertaram em apenas uma frase, imaginem em 96 minutos… Mas eis que houve a redenção. Dupla: Síndromes e Um Século e A Moça Dividida em Dois. Como as obras anteriores do Apichatpong Weerasethakul, não entendi boa parte de Síndromes e Um Século. Mas que diabos, precisa? [...Continua...]

Aug 292007
 

Terminei de arquivar meus filmes baixados pelo e-mule. Estão agora todos catalogados, por nome, diretor, língua em que é falado e legendas. Tenho mais de 500 títulos, obras (ripadas a maioria de DVDs) de Orson Welles, John Ford, Manoel de Oliveira, João César Monteiro, D. W. Griffith, F. W. Murnau, Max Ophüls, Jacques Demy, Cecil D. DeMille, Carl Dreyer, Yasujiro Ozu, Kenji Mizoguchi, Jacques Tati, Werner Herzog, Rainer Werner Fassbinder, Jean-Luc Godard, Eric Rohmer, Jia [...Continua...]

Apr 092007
 

Comecei, ontem, a assistir aos filmes de Carl Dreyer que baixei pelo e-mule. Decidi vê-los em ordem, assim o primeiro foi The Parson’s Widow, de 1920. Hoje, teria visto Mikael, se não tivesse descoberto que minha versão está com subtítulos em alemão. Ou acho legendas mais amigáveis, ou alugo o DVD, certamente desperdício de dinheiro. Como pulei Mikael, o próximo da lista era The Master of the House, de 1925. Estava com legendas em espanhol, [...Continua...]

Apr 092007
 

Se eu fosse professor, primeiro filme que mostraria para a turma seria Vampyr, de Carl Dreyer. Não é o melhor, mas está ente os mais inventivos que já vi. Mistura Kafka, Buñuel, Bergman, Cocteau, Hans Richter, Clair, Monty Python e alguns outros. Plano subjetivo de cadáver dentro do caixão foi novo para mim. Vilão morrendo (ou não, era morto-vivo mesmo) soterrado com farinha também! Related Images:

Jun 252006
 

Dinamarca, além de ser a senha para que Fridolin entre no castelo onde ocorre a orgia dos mascarados em Breve Romance de Sonho, de Arthur Schnitzler, também produziu dois gênios: Carl Dreyer e Carl Nielsen. O primeiro no cinema, o segundo na música. De Dreyer, foram lançados vários DVDs no Brasil. Mikael, Joana D’Arc, Dias da Ira, Ordet, Gertrud, Vampyr, todos essenciais. Na internet, é possível encontrar ainda outros filmes bastante raros, como Prästänkan (de [...Continua...]

Jun 042006
 
E-Mule

O burrinho do e-mule é muito fofo, e não resisti à tentação de colocá-lo aí em cima. Infelizmente, como tive que formatar meu HD pela enésima vez – não foi vírus, e sim o ventilador interno que queimou (odeio computadores, se não precisasse os quebraria com uma marreta) – perdi inúmeros filmes que estava baixando. Também perdi todos meus arquivos com os filmes já baixados, que estou recuperando manualmente (ou seja, preciso checar CD por [...Continua...]

Apr 032006
 

“Você está em Estado de Graça?” “Se estou, que Deus me conserve. Se não, que para lá me conduza”. Maria Falconetti (ou Renée Jeanne Falconetti) nasceu na Córsega, em 21 de julho de 1892, e morreu em Buenas Aires, em 12 de dezembro de 1946. Realizou apenas três filmes. Os dois primeiros ainda em 1917: Le Clown e La Comtesse de Somerive. Entrou para a História, porém, por seu derradeiro papel, em La Passion de [...Continua...]