Sep 052009
 
Two Lovers

“Peço-lhe perdão”, escrevia Nastenka. “Suplico-lhe de joelhos que me perdoe. Enganei-o e enganei-me a mim própria. Era um sonho, um fantasma… Hoje sofri por si mil mortes. Perdão! Peço-lhe perdão!… “Não me censure, pois não mudei fosse o que fosse quanto a si. Disse-lhe que o amaria e continuo a amá-lo, faço mais do que amá-lo. Meus Deus, se pudesse amar-vos a ambos ao mesmo tempo! Se o senhor fosse ele! Se ele fosse o [...Continua...]

Mar 052008
 
Noites do Sonhador

Noites Brancas, 1957, de Luchino Visconti. Quatro Noites de Um Sonhador, 1971, de Robert Bresson. – Ouça, quer saber quem sou? – Evidentemente que sim! – Quer sabê-lo exatamente? – Exatamente! – Pois bem, vou-lhe fazer a vontade: eu sou… um tipo. – Um tipo? Mas que espécie de tipo? – exclamou a jovem, rindo com tanta vontade que dir-se-ia não rir há mais de um ano. – O senhor é muito divertido! Olhe, há [...Continua...]

Aug 082006
 
Foto da Semana - Noites Brancas, de Luchino Visconti

A foto da semana é de Noites Brancas (Le Notti Bianche, 1957), de Luchino Visconti. A crítica está aqui: Noites Brancas. E no entanto a minha noite foi mais proveitosa do que o dia! Eis como as coisas se passaram: Regressei muito tarde à cidade e já tinham dado as dez horas quando me aproximei da minha casa. O caminho que percorri passava junto do cais do canal, onde, àquela hora, não se encontrava vivalma. [...Continua...]

Apr 202006
 

“O quarto está imerso na obscuridade; a sua alma está vazia e triste; todo um reino de quimeras se desmoronou em seu redor, se desmoronou sem deixar rasto, sem ruído nem tumulto, passando como um sonho, e ele nem sequer se recordou de ter acalentado essas quimeras. Porém, uma espécie de obscura sensação, que magoou levemente o seu peito, uma espécie de novo desejo seduz, estimula e irrita a sua imaginação e suscita furtivamente um [...Continua...]

Apr 142006
 
Quatre Nuits D´Un Revêur

Quatre Nuits D´Un Revêur, 1971, de Robert Bresson Acabei de assistir a Quatre Nuits D´Un Revêur. Cópia horrível, ripada de VHS tosco. Mas é a única que existe na internet, e se trata de um dos filmes mais raros de Robert Bresson (se não for o mais inacessível de todos). É adaptação de Noites Brancas, de Dostoiévski. Fascinante como Bresson transfere a ação para a Paris dos anos 70 – as quatro noites acontecem na [...Continua...]

Apr 042006
 

Continuando com Memórias do Subsolo. Vejam: aproveito, por enquanto, trechos já digitados para outros fins. Nas próximas semanas, haverá Thomas Mann – não coloco agora porque, caso contrário, acusam-me de pederastia (o que, em relação ao Mann, era verdade), e até Salmo da Bíblia. Assim que eles acabarem, renovo com outros autores: juro que leio muito! Agora sim, Dostoiévski, e sem adaptações. Direto na veia. Tirem as crianças da sala… Pois bem, um homem desses, [...Continua...]

Mar 282006
 

A casmurrice! Ah, a natureza! Os homens estão sozinhos na terra – essa é a desgraça! “Há algum homem vivo nesses campos?” – grita o bogatir russo. Também grito eu, que não sou bogatir, e ninguém dá sinal de vida. Dizem que o sol anima o universo. O sol vai nascer e – olhem para ele, por acaso não é um cadáver? Há somente os homens, e em volta deles o silêncio – essa é [...Continua...]

Mar 232006
 

Terminei de baixar Noites Brancas, de Luchino Visconti. Adaptação da doce, nostálgica e encantadora novela de Dostoiévski com o mesmo título (também chamada de “Memórias de Um Sonhador”). Não tão doce, na verdade, já que carregada de sofrimento, amargura, transtornos da alma, ausência de Deus, desencontros e solidão. A voz do Subsolo, marcante na sua obra posterior, meio que se faz ouvir aqui, um tanto na surdina, escondida, mas está lá. Como uma sensação incômoda, [...Continua...]