May 232009
 
Quinzena dos Realizadores - Prêmios

Nada de Francis Ford Coppola, Hong Sang-Soo, Pedro Costa, Luc Moullet ou Nobuhiro Suwa: J’ai Tué Ma Mère, de Xavier Dolan, levou a Quinzena dos Realizadores. Três prêmios, aliás: Art Cinema Award, Regards Jeunes e SACD (Sociedade de Autores e Compositores Dramáticos. La Merditude des Choses, de Felix Van Groeningen, recebeu menção especial do júri, enquanto La Pivellina, deTizza Covi e Rainer Frimmel, ganhou o Label Europa Cinemas. Montparnasse, de Mikhaël Hers, venceu entre os [...Continua...]

Feb 072008
 
Berlinale

Shine a Light, 2008, de Martin Scorsese. Começa o Festival de Berlim. Os filmes em competção: Avaze Gonjeshk-Ha, de Majid Majidi Ballast, de Lance Hammer Bam Gua Nat, de Hong Sang-Soo Caos Calmo, de Antonio Luigi Grimaldi Elegy, de Isabel Coixet Feuerherz, de Luigi Falorni Gardens of the Night, de Damian Harris Happy-Go-Lucky, de Mike Leigh Il y a Longtemps que Je T’aime, de Philippe Claudel Julia, de Erick Zonca Kaabee, de Yôji Yamada Kirschblüten [...Continua...]

Apr 262006
 

Leva de filmes que terminei de baixar ontem: – A Virgem Desnudada por Seus Celibatários e Turning Gate, de Hong Sang-Soo. – Lancelot du Lac e O Diabo Provavelmente, de Robert Bresson (do diretor, falta apenas Les Anges du Peché, que já encontrei). – O Desprezo, de Jean-Luc Godard (Criterion Collection). – Where the Green Ants Dream, de Werner Herzog. – Lady Oscar, de Jacques Demy. Related Images:

Apr 142006
 

www.acessa.com/agenda/cinema/show.php?d=3&n=filmes_internet Matéria do amigo Marcelo Miranda. Tomo a liberdade de colocar as perguntas que ele me fez e as minhas respostas completas aqui (tudo ok, Marcelo?): 1) qual a relação / comparação que se pode estabeceler entre o acesso a filmes de 1996 para 2006? O acesso aos filmes aumentou bastante nos últimos 10 anos. Em 1996, havia somente o cinema, a TV aberta e o VHS. Obras raras, cineastas importantes, clássicos, filmes antigos eram [...Continua...]

Apr 072006
 
Chunhyang, Amor Proibido

Chunhyang, Amor Proibido, 2000, de Im Kwon-Taek Folheto da última Sessão Cineclube. Pena de quem não viu no cinema, já no DVD o filme está na janela e com as cores erradas. A letra ying significa mulher, terra. A letra yang, marido, sol. Juntas, ying e yang ganham novo sentido: felicidade. Entrelaçando pansori e cinema, Im Kwon-Taek – mais importante diretor coreano que, infelizmente, permanece desconhecido no Brasil -, em Chunhyang, Amor Proibido, conjuga romance, [...Continua...]

Apr 032006
 

Estava terminando meu texto para Chunhyang, Amor Proibido, que passa quarta-feira, 20h30, no Odeon, dentro da Sessão Cineclube. Imperdível, hein. No último parágrafo, eu basicamente comparo a disponibilidade de Im Kwon-Taek no Brasil com a de outro cineasta coreano, Kim Ki-Duk. Para reforçar meus argumentos, resolvi citar também Hong Sang-Soo, que permanece inédito no Brasil (Kwon-Taek só teve Chunhyang exibido comercialmente, e o cara fez 99 filmes!). E, vejam só, descubro que Hong Sang-Soo nasceu [...Continua...]