Aug 292007
 

Terminei de arquivar meus filmes baixados pelo e-mule. Estão agora todos catalogados, por nome, diretor, língua em que é falado e legendas. Tenho mais de 500 títulos, obras (ripadas a maioria de DVDs) de Orson Welles, John Ford, Manoel de Oliveira, João César Monteiro, D. W. Griffith, F. W. Murnau, Max Ophüls, Jacques Demy, Cecil D. DeMille, Carl Dreyer, Yasujiro Ozu, Kenji Mizoguchi, Jacques Tati, Werner Herzog, Rainer Werner Fassbinder, Jean-Luc Godard, Eric Rohmer, Jia [...Continua...]

May 222007
 
As Duas Faces da Felicidade

- Tu ne le salues pas? – Il ne m’a pas pardonné mon intervention. Il a eu tort. Il a trouvé l’amour, la gloire, la fortune. Est-ce que ce ne n’est pas le bonheur? – Tout de même, tu m’avoueras que tout cela est bien triste. – Mais, mon cher, le bonheur n’est pas gai. Foto e diálogo: Le Plaisir (episódio Le Modèle), de Max Ophüls, adaptado de três contos de Guy de Maupassant. Related [...Continua...]

May 222007
 

Pesquisa rápida feita no e-mule. Encontrei, disponíveis: – O Estrangeiro (Lo Straniero) e Vagas Estrelas da Ursa (Vaghe Stelle Dell’Orsa), de Luchino Visconti. – La Signora di Tutti e Lola Montez (versão alemã, restaurada), de Max Ophüls. – The Pied Piper, de Jacques Demy. Related Images:

Feb 022007
 
The Rising of the Moon

The Rising of the Moon, 1957, de John Ford Filme atípico de John Ford: são três episódios, baseados em clássicos da literatura irlandesa, apresentados por Tyrone Power (descendente de irlandeses), rodados inteiramente em locação na Irlanda e com atores desconhecidos e, claro, também irlandeses. A primeira história, The Majesty of the Law, mostra o comissário de polícia local, de início, andando por belas paisagens, naturais ou históricas – castelos em ruínas. Ele deve cumprir seu [...Continua...]

Dec 292006
 
Vesti la Giubba

No original, em italiano: Recitar! Mentre presso dal delirio non so più quel che dico e quel che faccio! Eppur è d’uopo… sforzati! Bah! sei tu forse un uom? Tu se’ Pagliaccio! Vesti la giubba e la faccia infarina. La gente paga e rider vuole qua. E se Arlecchin t’invola Colombina, ridi, Pagliaccio… e ognun applaudirà! Tramuta in lazzi lo spasmo ed il pianto; in una smorfia il singhiozzo e’l dolor… Ridi, Pagliaccio, sul tuo [...Continua...]

Nov 132006
 
Max Ophüls na Undercurrent

Max Ophuls’s Adaptation to and Subversion of Classical Hollywood Cinema and Their Effect on his European Filmmaking Artigo bacana de Lutz Bacher que saiu na revista Undercurrent No mesmo número, matérias sobre o cinema austríaco e homenagem a Danièle Huillet, com textos de Adrian Martin, Jonathan Rosenbaum, Chris Fujiwara e da Cahiers du Cinema. Foto: Desejos Proibidos (Madame De…, 1953), de Max Ophüls. Related Images:

Jul 032006
 
Foto da Semana - O Carrossel da Esperança, de Jacques Tati

O carrossel chega à pequena cidade. Com ele, vem os americanos, a maquina, a modernidade que se choca com o dia-a-dia prosaico dos habitantes. Em torno deste único acontecimento, Jacques Tati realizou seu primeiro longa-metragem: O Carrossel da Esperança (Jour de Fete, 1949), a foto da semana. Ainda não é a vez de Mounsier Hulot, e sim do carteiro estabanado que vai para lá e pra cá, cruzando – porque está no caminho – com [...Continua...]

Jun 122006
 
Foto da Semana - Os Guarda-Chuvas do Amor, de Jacques Demy

Qualquer filme romântico que se preza necessita de despedida em estação de trem. Carta de Uma Desconhecida, de Max Ophüls. Summertime, de David Lean. Os Guarda-Chuvas do Amor, de Jacques Demy. Não sei se seria possível algo semelhante no Brasil. Amantes dizendo adeus na Central do Brasil? Coração na mão, tristeza e romantismo rasgado em trens sujos, lotados, quebrados? Pensando bem, acredito até que fique melhor. A pobreza acentua o melodrama. É fácil amar quando [...Continua...]

May 062006
 

6 de maio de 1902: nasce Max Oppenheimer, em Saarbrücken, Alemanha. Quando jovem, interessa-se pelo teatro, em atuar. Descobre, porém, tino para direção. Ainda nos anos 20, volta-se para o cinema, e adota o nome de Max Ophüls. Ophüls, na verdade, era o sobrenome de uma família nobre. Comum entre cineastas este “empréstimo” – só pegar os dois pseudo vons, Erich Von Strohein e Josef Von Sternberg, que obviamente jamais possuíram raízes na nobreza germânica. [...Continua...]