May 252006
 

Hoje, no Odeon, às 17h30, passa Cenas de Um Casamento, de Ingmar Bergman. Ele foi exibido na mostra Finitude e Transcendência, no Cine-Arte UFF. Mas, convenhamos, o Odeon é muito melhor. E mais perto, para quem mora do lado de cá da ponte. Outro daqueles filmes que, embora de fácil acesso, como O Enigma de Kaspar Hauser, eu jamais vi. Corrigirei o erro, prometo – até porque adoro Da Vida das Marionetes, que Bergman realizou [...Continua...]

May 212006
 

- 24/5 – O Enigma de Kaspar Hauser, 1974, de Herner Herzog. – 31/5 – Rio Zona Norte, 1957, de Nelson Pereira dos Santos. – 7/6 – O Desespero de Veronika Voss, 1982, de Rainer Werner Fassbinder. – 14/6 – Mouchette, 1967, de Robert Bresson. – 28/6 – A Viúva Alegre, 1934, de Ernst Lubitsch. Bela programação. Kaspar Hauser coroa a pauta Herner Herzog da Contracampo, que está para entrar no ar. Como já disse, [...Continua...]

May 182006
 

Hoje, 18h40, no Odeon, Um Casamento Perfeito, de Eric Rohmer. Este com certeza faz parte da série Comédias e Provérbios e, pelo que me lembro (assisti há três anos), é obra-prima. Sexta-feira, sessão dupla na Cinemateca do MAM: 16h, A Margem, de Ozualdo Candeias. 18h30, O Vaqueiro, de Buster Keaton. A Margem não passa no RJ faz tempo (na hora H, sempre entra Fábula no lugar!), e Buster Keaton… bom, quem viu O Homem das [...Continua...]

May 182006
 

Bom, eu não bebo café. Também não me utilizo dos redutos alimentícios da Da Vinci, da Travessa, do Odeon ou do CCBB. Prefiro comer nos podrões das praças e esquinas e nas pastelarias chinesas pés-sujas da cidade. São baratas, forram o estômago e, acreditem, você sai vivo no final (a maionese do podrão é mais confiável que a da sua casa!) O melhores podrão e cachorro-quente do RJ – e mais baratos – se encontram [...Continua...]

May 172006
 

Minha mãe sempre me disse que fazer cinema no Brasil era loucura. O programa do Cachaça Cinema Clube de hoje, às 20h30, no Odeon, dá razão à minha genitora: Maio é o mês da Luta Antimanicomial. Esse movimento, que atua há mais de 14 anos no Brasil, tem por objetivo colocar em questão a noção de loucura como uma maneira de avançar para uma sociedade sem manicômios, onde os direitos dos loucos sejam respeitados e [...Continua...]

May 092006
 

Sessão Cineclube desta quarta-feira, no Odeon, às 20h30, traz O Pequeno Soldado, de Jean-Luc Godard. É o JLG do coração, embora ele tenha realizado filmes ainda melhores (Week-end, sobretudo, Aqui e Acolá, Passion, A Chinesa, O Desprezo…). Do coração porque o cinema é a verdade a 24 fotos por segundo… Related Images:

May 012006
 

Ontem, antes de começar Passion, fui avisar ao pessoal do Odeon que a janela correta do filme era 1.37:1. Não seria preciso se o projecionista fosse o genial Edmar. Infelizmente (para nós, não para ele), o cara está de férias. Seu substituto não possui o mesmo tino para respeitar as janelas dos filmes e, como Passion é de 1982, havia o sério risco de muitas cabeças serem cortadas. Claro que, para a maioria do público [...Continua...]

Apr 292006
 
Palácio

Aos de fora do RJ (e aos cariocas relapsos) apresento o Palácio, melhor e mais belo cinema da cidade. Se o Grupo Severiano Ribeiro resolver fechá-lo ou vendê-lo, eu me acorrento às suas portas e faço greve de fome. O Palácio e o Odeon não podem ter o mesmo destino do Pathé, também na Cinelândia, que se transformou numa Igraja Universal do Reino de Deus. O Pathé, para os mais jovens que passam por ali [...Continua...]

Apr 282006
 

Domingo, todos ao Odeon: 20h30, Passion, de Jean-Luc Godard. Na janela certa. É um dos filmes mais belos que o cinema já produziu. Das maiores obras-primas de Godard (mesmo, lá em cima). E antes, ainda passa Valmont, de Milos Forman. Injustiçadíssimo Valmont, que ficou à sombra de Ligações Perigosas, de Stephen Frears, lançado no ano anterior. Chance de descobrir (ou de reafirmar, para aqueles que já sabem) que a versão de Forman e Jean-Clauce Carriére [...Continua...]

Apr 262006
 

Quem avisa amigo é: Hoje, quarta-feira, às 17h, na Cinemateca do MAM, será reapresentado A Música de Guion, de Kenji Mizoguchi. É obra-prima (como qualquer Mizoguchi, by the way), e a cópia está novíssima. Última exibição no Brasil – depois, ela retorna para o Japão. Ou seja, quem não comparecer por qualquer motivo que não seja morte na família pode colocar orelhas de burro ao sair de casa pelos próximos meses. PS : aproveita-se e, [...Continua...]